Curta no Facebook

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Jazz em Veneza - Bàccaro Jazz (28/052009)



Sei que a minha viagem já aconteceu faz tempo e já comentei um bocado por aqui, mas é assunto que rende pela variedade de situações, lugares, acontecimentos e tem coisas que, realmente, a minha intenção era a de ir trazendo para o blog aos poucos.
Conforme já mencionei, as duas paradas mais interessantes da viagem foram Londres e Veneza. Por motivos diferentes: Londres é aquela cidade que tem tudo, é cosmopolita, é cheia de alternativas, uma beleza urbana, um lugar rock’n roll. Veneza pela mágica do lugar, seu romantismo e caráter singular.
Pois bem, queria falar exatamente sobre um aspecto interessante de Veneza, para mim um tanto inusitado, mas que me fez gostar ainda mais da cidade. Curiosamente, Veneza tem uma surpreendente vocação para o jazz. Não sei se eu sou mal informado mas efetivamente não sabia disso. Notei isso desde que chegamos ao hotel e naquelas prateleiras de publicidade com cartões de restaurantes, flyers de festas e folders em geral, apareciam, se não me engano, duas especificamente sobre bares e restaurantes de jazz. Já achei legal mas como ainda não havia me instalado e não sabia exatamente se iria conseguir encontrar aquele endereço ali indicado, deixei pra lá. Mas logo na nossa saída, após deixarmos as bagagens, quando procurávamos um lugar para almoçar (às 3 da tarde) paramos numa pizzaria qualquer e ali além do jazz e do blues do som ambiente, as paredes cobertas por posters de mitos destes gêneros: Parker, Miles, Bo, Duke. Começamos bem. Um almoço em Veneza muito bem servido de música. Bom, aí se confirmou que não era apenas coincidência o folder do hotel. E nos dias que se seguiram notamos mais alguns bares com esta característica. Passávamos nas vielas e ouvíamos lá dentro o jazz rolando.
Tocando um piano
(e reparem no sutiãs ao fundo)
Até que no nosso último dia lá, percorrendo, passamos por um muito simpático e resolvemos voltar ali para o happy-hour, até porque queríamos fazer tempo para irmos à Piazza San Marco à noite. Voltamos no final de tarde, início da noite. O lugar, o Bàccaro Jazz, acabou por ser um programa agradabilíssimo. A música de primeira, um atendimento muito gentil e o ambiente bem acolhedor. A curiosidade ficou por conta dos sutiãs pendurados que decoravam o teto da casa.
Nas paredes além dos posters das lendas do jazz, desenhos de clientes com elogios, dedicatórias, homenagens ao bar, emoldurados em pequenos quadros de acrílico. Desenhos assim de improviso, de quem pegou um pedaço do guarda-napo e fez uma coisa qualquer na hora e deixou para o bar.
Deixei o meu também. Pedi a caneta ao garçon, peguei um pedaço daquela toalha de mesa de papel e fiz um desenho estilizado de um saxofonista e escrevemos ao lado em inglês elogios ao estabelecimento, à musica e ao atendimento. O garçom adorou, pelo jeito. Ficou empolgado e queria botar na parede naquela hora mesmo. Como teria que desmoldurar outro para botar o meu, prometeu que o colocaria na parede mais tarde. Acho que o fez.
Depois, saímos dali e fomos curtir a noite na Piazza San Marco.





Como diria Bucowski
"é divertido mas verdadeiro saber que as pessoas não são muito, que tudo não passa de um JAZZ a foder e a gente já sabe que esse é o lema mas é legal ouvir isso ser dito sentado à beira de um canal de Veneza..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário