Curta no Facebook

domingo, 26 de fevereiro de 2017

"Moonlight - Sob a Luz do Luar", de Barry Jenkins (2016)



Acho que já falei isso, ou algo parecido em algum texto antes: acho muito bacana (e apoio) o discurso de “seja você mesmo”. Até aí, ok. Se você se aceita, está tudo bem, Porém, “não importa o que a sociedade pensa”, aí já não é bem assim. Não adianta a pessoa se aceitar se o mundo vai oprimir ela, discriminá-la e inferiorizá-la. O MUNDO também deve aceitar aquela pessoa do jeito que ela é. Aceitem a diversidade!

Em “Moonlight - Sob a Luz do Luar”, Black (Trevante Rhodes) trilha uma jornada de autoconhecimento enquanto tenta escapar do caminho fácil da criminalidade e do mundo das drogas de Miami. Encontrando amor em locais surpreendentes, ele sonha com um futuro maravilhoso.

Não chega a ser um defeito (longe disso), mas as rápidas passagens de tempo do filme podem parecer estranhas para alguns, pois dão uma sensação de que você perdeu algo. Acredito que isso é proposital, algo pensado pelo diretor e roteirista Barry Jenkins para que você fique mais ansioso em saber o desfecho da história. Mas, sim, essas lacunas que faltam podem atrapalhar, se o espectador está acostumado com filmes mais tradicionais.

Cena fabulosa de Moonlight em que tudo funciona,
fotografia, som, atuações, dilálogos...
Tecnicamente, o longa e muito bom, sua estética e narrativa funcionam muito bem. A construção dos personagens é muito boa. Mesmo com os saltos no tempo, a relação deles com o ambiente que os cercas é muito bem trabalhada. Um filme que foge de clichês e esteriótipos, o que faz com que ele ganhar força. Apesar das ótimas atuações de Janelle Monáe e Naomie Harris (esta segunda com mais destaque devido à carga dramática de sua personagem), cada uma representando um tipo de papel materno, é Mahershala Ali, como Juan, que me ganhou. Ele aparece pouco, mas enquanto está em cena puxa nossa atenção para ele por conta da força dos seus diálogos.

O personagem principal é vivido por três atores diferentes, todos muito bem, mas nenhum que vá saltar aos olhos. O visual do filme é, de fato, seu maior chamariz. A forma como as cenas são construídas, o suspense, o silêncio, os olhares como são filmados. O diretor consegue te colocar dentro das cenas, muito próximo dos personagens sem você perder um detalhe. Claro, o roteiro é maravilhoso, com algumas passagens muito poéticas e outras extremamente fortes.

Que atuação imponente de Ali
Um exemplo que mostra muito bem o talento do diretor em nos colocar na cena, e mesmo assim, transformá-la em algo fantástico e muito artístico, é a da primeira experiência sexual de Black. Que construção, que detalhes, que exploração do silêncio! Temos também os diálogos de Juan e o pequeno Black no início do filme, quando o garoto começa a se questionar sobre o que ele é, que são fabulosos também. Deveríamos colocar esse diálogo para que todo mundo ouvisse, TODO MUNDO MESMO!

Em “Moonlight”, acompanhamos a história de um garoto delicado e gentil que acaba se descobrindo para vida, se aceita, mas acaba tendo que mudar para se adequar à sociedade, deixando claro o quanto e difícil nos dissociarmos da sociedade que nos cerca. Isso tudo é mostrado com uma fotografia linda e diálogos magistrais. Uma obra-prima ao mesmo tempo tão natural e simples. "Moonlight” nos põe a pensar sobre esteriótipos, dando-nos um olhar mais profundo dos personagens, O traficante de droga é vilão o tempo inteiro? O homossexual tem que aceita a sociedade e não a sociedade a ele? Por todos esses motivos, digo: que filme!

por Vágner Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário