Curta no Facebook

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Caetano Veloso - "Transa" (1972)

"Chamei os amigos para gravar em Londres(...) "Transa" foi  meu primeiro disco de grupo, gravado quase como um show ao vivo".
Caetano Veloso



 No embalo do meu retorno a Londres, deu vontade de falar de um dos grandes discos brasileiros de todos os tempos, intimamente ligado à capital inglesa: “Transa” de Caetano Veloso, de 1972.
Gravado no exílio do cantor na época da ditadura militar, álbum é uma fantástica mistura de sons, tendências, línguas e costumes. Tem regionalismos junto com rock’n roll, inglês com português, gíria com poesia, berimbau com guitarra... Tudo resultado de uma criatividade que estava prenhe, precisando ser expelida, manifestada. Uma vontade de ser brasileiro mesmo estando fora. E parece que é exatamente isto que Caetano consegue transmitir quando mistura as línguas e linguagens: assimilar, experimentar, sem perder suas raízes.
O início, com “You Don’t Know Me”, uma balada que vai se encorpando aos poucos, tem sua letra em inglês toda “invadida” por pedaços em português, como o trecho de “A Hora do Adeus” de Luiz Gonzaga, e ‘Saudosismo” do próprio Caetano, com a voz de Bebel Gilberto.
“Nine Out of Ten” que a segue, é espetacular em sua sonoridade toda cheia de embalo e ritmo. Caetano mesmo afirma ser esta sua melhor letra em inglês. Em inglês, sim, mas, assim como na anterior, com incursões em português, mas nesta, genialmente mais integradas na letra (“I’m Alive and VIVO, MUITO VIVO, VIVO, VIVO”). Caetano diz sobre esta música: “Tem a Nine out of Ten, a minha melhor música em inglês. É histórica. É a primeira vez que uma música brasileira toca alguns compassos de reggae, uma vinheta no começo e no fim. Muito antes de John Lennon, de Mick Jagger e até de Paul McCartney. Eu e o Péricles Cavalcanti descobrimos o reggae em Portobelo Road e me encantou logo. Bob Marley e The Wailers foram a melhor coisa dos anos 70.”
Caetano utiliza-se da poesia barroca de Gregório de Mattos para compor “Triste Bahia”, a mais experimental do disco, repleta de idas e vindas sonoras, regionalismos, linguagem coloquial, versos de folclore e cantigas populares.
Em “It’s a Long Way”, uma doce e melancólica canção, minha favorita do disco aliás, volta a se utilizar muito fortemente do recurso bilíngüe, depois dos primeiros versos totalmente em inglês, passa para a língua natal novamente com linguagem coloquial, dísticos populares e jogos de roda (“os olhos da cobra verde/ hoje foi que ARREPAREI/ se ARREPARASSE a mais tempo/ não amava quem amei”)
Sobre “Mora na Filosofia”, de Monsueto Menezes, um samba lento, marcado no violão, Caetano diz: “Mora na Filosofia, que é um grande samba, uma grande letra e o Monsueto é um gênio. Me orgulho imensamente deste som que a gente tirou em grupo".
Segue “Neolithic Man”, que é a que gosto menos no disco e fecha com o ótimo e embalado rock’n roll acústico e curtinho "Nostalgia (That's What Rock'n Roll Is All About)".
O álbum contou com arranjos e participações especialíssimas de amigos que estavam em Londres na época, entre eles Jards Macalé e Péricles Cavalcanti, mas que, curiosamente, por negligência no acabamento gráfico, não foram creditados no encarte original. O fato é que o próprio Caetano faz questão de lembrar estas participações e salientar que elas foram extremamente estimulantes para o trabalho em torno do álbum naquelas circunstâncias de exílio, saudades, solidão; e, ouvindo “Transa”, não é difícil notar o quanto as companhias contribuíram para a qualidade e resultado final da obra.

***************************************************

FAIXAS:
  1. "You Don't Know Me" (Caetano Veloso) – 3:49
  2. "Nine Out of Ten" (Caetano Veloso) – 4:57
  3. "Triste Bahia" (Gregório de Matos Guerra, Caetano Veloso) – 9:47
  4. "It's a Long Way" (Caetano Veloso) – 6:07
  5. "Mora na Filosofia" (Monsueto Menezes, Arnaldo Passos) – 6:16
  6. "Neolithic Man" (Caetano Veloso) – 4:55
  7. "Nostalgia (That's What Rock'n Roll Is All About)" (Caetano Veloso) – 1:22
************************************
Ouça:
Caetano Veloso Transa


Cly Reis

4 comentários:

  1. Bá, Clayton,
    discasso mesmo! Que legal esse teu sentimento de, prestes a embarcar para Londres, não ter vontade de ouvir um, digamos, The Who ou Stones. Nada contra, não me entendam mal, mas é curioso como um disco como o "Transa" bate mais em alguém que como tu acaba sendo cosmopolita quase que por força da própria nacionalidade brasileira. Parece ser intrínseco ao brasileiro ser estrangeiro também. Curioso também é o diálogo dos dois principais trabalhos de Caetano e Gil em Londres, que mostram, sob duas óticas, este mesmo espírito cosmopolita. Enquanto o "Expresso 2222" do Gil (mesmo tendo sido gravado no Brasil, é um produto caracteristicamente londrino) revela a entrada definitiva de Gil na música pop, "Transa" é um Caetano moderno, mas marcadamente introspectivo. No entanto, e esse é o fato: ambos tem esse olhar estrangeiro (mais que isso: brasileiro) aobre Londres.
    Abraço,
    Dã.

    ResponderExcluir
  2. Vontade de ouvir Who, Stones, Cure, Smiths, sempre tenho, independente de ir a Londres ou não (hehehe). O fato é que este aqui me remete direto à Inglaterra, mesmo. Ainda que tenha o outro de 1971, com "London, London" e tal, este aqui me parece, numa palvra que tu mesmo usaste bem, com um resultado mais COSMOPOLITA. Sem falar que o outro disco da fase londina do Caê é bem mais melancólico. Adoro mesmo o "Transa".

    ResponderExcluir
  3. Pois é, e de novo comparando ao trabalho do Gil, ele também tem um mais londrino de território, mas menos londrino de coração. É aquele de 1970, todo em inglês. Com a musicalidade do Gil, mas todo em inglês.
    Abç,
    Dã.

    ResponderExcluir
  4. Cara, muita coincidencia... adquiri esse disco essa semana.

    ResponderExcluir