Curta no Facebook

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Siouxsie and the Banshees - "Juju" (1981)







" 'Juju' foi a primeira vez que tínhamos feito, 
por assim dizer,
'um álbum conceitual'.
Um disco que se baseou
em elementos mais escuros." 

Steven Severin

Gosto muito deste disco por ser ele um trabalho de transição. A passagem definitiva daquele grupo caracteristicamente punk do final dos anos 70, para uma linha mais gótica de estilo sombrio, de atmosferas obscuras, bem típico daquele início dos anos 80.
“Juju” de 1981, tem um pouco dos dois: o peso do punk rock e o clima do darkismo oitentista. Conheci o disco por intermédio da minha amiga Tânia Becker que gravou um fita cassete pra mim com o álbum na época que eu era duro demais pra comprar os LP’s. Como naquela época eu não conhecia este trabalho especificamente da discografia d banda, fiquei um tanto surpreso exatamente com isso que chamei atenção: como aquele disco era pesado, como era guitarrado, distorcido, e no entanto era completamente Siouxsie and the Banshees. Grande parte dessa ‘barulheira’ se deve é claro à guitarra marcante de John McGoech (ex-Magazine) que, se nunca foi um grande guitarrista (e não foi) sempre foi competente e inegavelmente tinha seu traço instrumental pessoal muito marcante com suas guitarras rascantes e supersonicas. Em “Juju” a banda ganhava outro acréscimo de qualidade que era toda qualidade e a técnica do baterista Budgie, que havia na verdade entrado no álbum anterior, “Kaleidoscope”, mas talvez por causa do direcionamento bastante eletrônico daquele álbum, não tivesse podido tirar o melhor de si, o que começaria, efetivamente, a acontecer em “Juju” e só melhoraria dali para a frente. Steven Severin não precisa nem falar: é de uma precisão e segurança impressionantes. Um relógio; e a Rainha das Trevas hipnotiza com seu vocal enfeitiçante, sedutor e assustador por vezes, indo da loucura à magia, do desespero ao transe em questão de segundos.
Canções como a vibrante “Spellbound” que abre o disco; a frenética “Haloween” e a distorcidíssima e “Monitor” com sua guitarra incontrolável, não negam que a veia punk continua lá firme; por outro lado a arrastada “Night Shift” e sobremaneira a macabra “Voodoo Dolly”, um show à parte de Sioux, não desmentem o caminho soturno que a banda seguiria mais enfaticamente a partir de então.
“Arabian Nights” de baixo bem desenhado e percussão marcante; “Into the Light” de estrutura toda quebrada; “Head Cut” com destaque novamente para a guitarra de McGoech; e a crescente “Sin in My Heart”, ficam num meio termo entre a sutileza e a brutalidade, entre as trevas e a luz, entre o agressivo e o belo, e igualmente merecem menção com entusiasmo.
Fiz uma pequena enquete entre amigos que como eu curtem Siouxsie and the Banshees, não exatamente para decidir que álbum destacaria aqui na seção, mas mais para ter uma noção do preferido dos fãs. De um modo geral, manifestou-se uma certa preferência pelo “Hyaena” de 1984, o que me surpreendeu um pouco, considerando que é um disco que, por certo, aprecio bastante mas que não destacaria a tal ponto. Embora seja uma discografia difícil de destacar qualquer álbum dada a regularidade dos trabalhos da banda, na verdade já estava decidido que para mim “Juju” seria o  ÁLBUM FUNDAMENTAL  da vez.
Mas nada impede que o “Hyaena” ou qualquer outro apareça por aqui uma hora dessas.
***********************************

FAIXAS:
  1. "Spellbound"
  2. "Into the Light"
  3. "Arabian Knights"
  4. "Halloween"
  5. "Monitor"
  6. "Night Shift"
  7. "Sin in My Heart"
  8. "Head Cut"
  9. "Voodoo Dolly"
********************************************
Ouça:

por Cly Reis
para Tânia Becker

2 comentários:

  1. Eu sou do time do Hyaena, mas gosto muito do Juju e do Nocturne, que foge aos padrões, pois mesmo sendo um ao vivo, geralmente desfavorecidos com relação aos de estúdio no caso de bandas técnicas como a Siouxsie and the Banshees, é o meu preferido. Quem sabe dia desses não rola um AF do Nocturne?...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já temos o Nocturne:

      http://cly-blog.blogspot.com/2009/03/siouxsie-banshees-nocturne-1983.html

      Excluir