Curta no Facebook

quarta-feira, 11 de julho de 2012

“Futebol no País da Música", de Beto Xavier – Ed. Panda Books (2009)


"Uma coisa é certa: no Brasil a música brota em todas as partes, como o futebol. Basta ter uma caixa de fósforos ou uma bola de meia, que dá samba ou dá jogo."
Beto Xavier


Mais um daqueles maravilhosos presentes que ganho dos meus irmãos. Desta vez foi minha irmã, Karine, que conhecendo-me bem, sabendo que minhas duas grandes paixões são futebol e música, tratou de me dar, no último Natal, um livro que une essas duas predileções, juntando-as com uma terceira que é a leitura. Trata-se de “Futebol no País da Música” de Beto Xavier, um gostoso passeio pela história do futebol desde sua chegada ao Brasil com Charles Miller, sempre marcando sua relação com a música mesmo que de maneira mínima ou sutil, como foi o caso do próprio Miller, introdutor do esporte no Brasil, que por sua vez tinha uma esposa pianista. A relação já começou ali.
E, convenhamos, que a idéia do autor de abordar estes dois temas em conjunto não poderia ser mais feliz, ainda mais em se tratando de Brasil onde os dois elementos tem uma ligação tão íntima, tão intrínseca, tão próxima, sobretudo quando se fala em samba. Aí sim, tem tudo a ver! O gingado, a malandragem, o dom, a malícia. Predicados típicos do brasileiro e que ele aplica com a mesma qualidade tanto nos campos quanto nos palcos, com a bola ou com o violão.
E nessas modalidades em comum, música e futebol, alguns nomes não poderiam deixar de ser mencionados e aparecem com o merecido destaque nas páginas do livro deste jornalista gaúcho, como a clássica tabelinha João Bosco e Aldir Blanc com seus nomes sugestivos alusivos a futebol (“Linha de Passe”, “De Frente pro Crime”, “Gol Anulado”); as inúmeras composições de Jorge Ben sobre o tema (“Ponta de Lança Africano”, “Zagueiro”, “Camisa 10 da Gávea”, a famosa “Fio Maravilha” e mais tantas outras); ou ainda a paixão e as freqüentes citações à bola do praticante ‘craque amador’ Chico Buarque, como “minha cabeça rolando no Maracanã” de “Pelas Tabelas”, “tem as pernas tortas e se chama Mané” de “Pivete”, ou ainda em “Deus me deu perna comprida e muita malícia prá correr atrás de bola e fugir da polícia” em “Partido Alto”, e composições belíssimas como aquela que leva, nada mais nada menos, que o nome do esporte mais amado pelos brasileiros: “O Futebol”.
Mas tem mais. Tem muito mais que isso: tem Noel querendo saber qual foi o resultado do futebol, tem a partida de futebol do Skank, tem o amor de Elza e Mané, tem as camisetas de clubes dos Engenheiros do Hawaii, as inúmeras homenagens ao rubro-negro carioca, os temas da Seleção Canarinho, os hinos de Lamartine Babo, o canal 100, o time dos Novos Baianos , Pelé cantando,... Ufff! Tem coisa que não acaba mais.
Muito legal, Karine. Adorei o presente. Livro que a gente lê cantando, ou melhor, lê jogando bola. Ou talvez, joga lendo, ou... Bom, tudo isso um pouco.
O que que eu posso falar desses irmãos? Sempre me brindando com agradáveis surpresas.
Golaço, Kaká! Golaço!



Cly Reis

3 comentários:

  1. Kaka - Karine - a irmã nº311 de julho de 2012 12:54

    Ahhh, que bom, mano! Que bom. Entrei na Travessa procurando algo que fosse A SUA cara. Não sabia explicar, no ínício... Aos poucos a insipiração foi me tomando e eu entrando no ritmo que era pra chegar lá!
    Fico muito feliz que tenhas gostado pois procurei exatamente isso. Uma leitura, que envolvesse música, história e a coisa que voc~e mais gosta na vida (depois da Luna hehehe): o futebol.

    PS.: foi no seu aniversário! rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ih, é mesmo! Foi no níver.
      eu sabia que eu tinha demorado a ler desde que ganhei, por isso achei que tivese sido no Natal.
      Até que não demorei muito pra pegá-lo pra ler, então.
      Tem uns que estão na fila a bem mais tempo e não tem a sorte desse.

      Excluir
  2. Que maravilha uma leitura assim! Foi muito feliz o autor. Beto Xavier
    ao fazer, o que me pareceu ser um paralelo entre o futebol e a música,
    só podia resultar em algo muito agradável, mesmo. Iara.

    ResponderExcluir