Curta no Facebook

terça-feira, 10 de julho de 2012

Nirvana - "MTV Unplugged in New York" (1994)




"É melhor queimar do que desaparecer aos poucos"
trecho da carta de suicídio
deixada por Kurt Cobain,
citando trecho da música
“Hey, Hey, My, My” de Neil Young


Um verdadeiro réquiem montado por aquele próprio que viria a morrer. Um funeral em vida cuidadosamente preparado com castiçais, velas, flores, lustres e palavras finais. Assim foi o acústico do Nirvana para a MTV americana, o melhor dos especiais neste formato realizado pela emissora.
Os acústicos como ficaram conhecidas estas apresentações exclusivas para o canal Music Television, começaram num formato bem intimista, meio luau, com as bandas ou artistas num banquinho, com instrumentos simples, de uso corriqueiro, algum complemento percussivo mais original ou elaborado, mas na maioria das vezes, num clima bem aconchegante e descontraído. Com o sucesso dos eventos, que passaram a render discos e DVD’s das apresentações, a coisa foi mudando e ficando mais chata e pomposa: artistas levavam orquestras inteiras, criavam versões com instrumentos rebuscadíssimos, levavam os shows para teatros grandes, deturpavam as próprias canções, contavam com a participação de inúmeros convidados e o acústico, aquela coisa, voz, violão, viola, chocalhos, baterias discretas e tudo mais que fizesse soar simpático, foi ficando pra trás.
O Nirvana, convidado a fazer o seu especial, além da ‘decoração’ já mencionada, que se por um lado poderia parecer mórbida, inegavelmente era aconchegante e convidativa, recuperava também essa idéia de tocar com os amigos e sentados em almofadas no chão, em banquinhos baixos, empunhando nada mais que violões, com o baterista David Grohl na retaguarda, trazendo uma bateria tradicional, mas sem abusar da intensidade; fazia o acústico definitivo e o imortalizava transformando-o no álbum “MTV Unplugged in New York”, que viria a ser o último registro oficial da banda, numa espécie de testamento musical de Kurt Cobain, que viria a suicidar-se dali há alguns meses.
Provavelmente já de caso pensado sobre o que faria, Kurt Cobain, tratou de dar seus últimos recados e desfilar toda a angústia que perturbava seu coração em interpretações sentidas como em “About a Girl”, “Pennyroyal Tea” e “Dumb”.
Canções como “Polly”, “Something in the Way” e “All Apologies” que por sua característica original, mostravam-se propícias para uma versão acústica, ficaram perfeitas, tendo estas duas última recebido acréscimo de violoncelo como nas versões originais. A simpática "Jesus Doesn't Want Me for a Sunbeam", dos Vaselines por sua vez tem um adorável acordeão e na cover de David Bowie, “The Man Who Sold the World”, Kurt dribla o formato acústico e põe um pequeno amplificador para reinterpretar o clássico, numa versão talvez melhor que a original.
A propósito de covers, o trio de Seattle mandou ver em três versões de canções dos Meat Puppets em sequência, acompanhados pelos próprios intergrantes da banda que serviram de apoio para o Nirvana no acústico: a ótima “Plateau” de acorde minimalista; a boa “Oh Me”; e a forte “Lake of Fire” com grande interpretação de Kurt Cobain.
Encerrariam então com outra cover e outra grande performance de seu vocalista, “Where Did You Sleep Last Night”, blues tradicional de autoria de Leadbelly, que exprimia muito do que Kurt provavelmente sentia a respeito de sua relação com Courtney Love naquele momento e por isso mesmo, a cantaria de uma maneira absolutamente intensa, envolvida, sentida, num momento tão emocionante que não podia deixar de ser o final do especial acústico. Um final monumental.
A canção final.
O final de tudo...
Infelizmente poucos meses depois da gravação do especial Kurt Cobain se suicidaria e deixaria esta lacuna no cenário do rock, tendo sido dele seu último grande nome.
Mas se neste acústico sua intenção havia sido mostrar o quanto seu coração e sua alma estavam consumidos com seu repertório cuidadosamente escolhido e suas interpretações sofridas, ele pode ter certeza que os fãs perceberam isso em cada verso, em cada expressão, em cada grito de dor; e se mais do que isso, foi sua idéia planejar as próprias exéquias públicas, ficaremos para sempre com a imagem do acústico como sua despedida.
Assim sendo, tudo o que resta a dizer é descanse em paz, Kurt. Descanse em paz.

****************************************

vídeo: Nirvana - "Where Did YouSeep Last Night"

FAIXAS:
  1. "About a Girl" - 3:37 
  2. "Come As You Are" - 4:13 
  3. "Jesus Doesn't Want Me for a Sunbeam" (Kelly/McKee; cover dos Vaselines) - 4:37 
  4. "The Man Who Sold The World" (cover de David Bowie) - 4:20 
  5. "Pennyroyal Tea" - 3:40 
  6. "Dumb" - 2:52 
  7. "Polly" - 3:16 
  8. "On a Plain" - 3:44 
  9. "Something In The Way" - 4:01 
  10. "Plateau" (Kirkwood; cover dos Meat Puppets) - 3:38 
  11. "Oh, Me" (Kirkwood; cover dos Meat Puppets) - 3:26 
  12. "Lake of Fire" (Kirkwood; cover dos Meat Puppets) - 2:55 
  13. "All Apologies" - 4:23 
  14. "Where Did You Sleep Last Night" (cover de Leadbelly) - 5:08
*****************************************
Ouça:

Cly Reis

Nenhum comentário:

Postar um comentário