Curta no Facebook

sábado, 19 de outubro de 2013

Black Sabbath - Praça da Apoteose / Rio de Janeiro (13/10/13)



O velho Ozzy mandando ver, acompanhado pelo 
competente Tommy Clufetos
foto JB Online
Um show histórico!
Mais um dos grandes nomes da música, uma das lendas do rock mundial, que tive o privilégio de ver ao vivo.
Estavam ali, no palco à minha frente, Tony Iommi, Geezer Buttler e nada mais nada menos que Ozzy Osbourne, sim, o Black Sabbath, se não com sua plena formação original, inegavelmente com a maior e mais significativa parcela.
A bem da verdade, tirando o caráter formal ou simbológico do que representaria ter Bill Ward nas baquetas, o atual substituto, Tommy Clufetos não fez feio e não deixou nada a desejar, sendo responsável inclusive, por um dos momentos mais legais do show, num solo arrasador antes de "Iron Man", que serviu também para que os outros três, mais velhos, fossem tomar uma aguinha.
O show foi um desfile dos grandes clássicos da banda intercalados com algumas canções do último trabalho, "13", que, deve-se dizer, não conseguem ter o mesmo apelo que as antigas, mas que, diga-se a seu favor, gnham muito ao vivo, como nos casos, especialmente, de "End of the Beggining" e "God is Dead?".
Mas como eu disse, foram as imortais do Sabbath que mexeram com a galera e comigo, como não podia deixar de ser. A abertura com "War Pigs" (trecho em vídeo) já foi de arrepiar; "N.I.B.", uma das minhas favoritas do grupo, foi avassaladora, com grande participação da platéia; a monumental faixa que leva o nome da banda, "Black Sabbath", parecia ter jogado uma teia de energia sobre o público;  "Children of the Grave" memorável; a já mencionada "Iron Man" com a introdução marcada e marcante de bateria, seu peso, a interpretação única de Ozzy, foi tudo o que se esperava dela: êxtase absoluto; e "Paranoid" que fechou o espetáculo, extremamente enérgica, forte, potente, visceral e vigorosa, levou o público ao delírio final no bis.
Uma aula de metal! Um resumo da trajetória do gênero ao longo dos últimos 43 anos, representada ali por aqueles quatro homens, especialmente por aquele cara de cabelos pretos e longos ao microfone.
É verdade que o tal do cara já está meio sequelado, meio gagá, meio sem noção, por vezes parecendo um animadorzinho amador de auditório, fazendo 'bracinhos-pra-cá, bracinhos-pra-lá', ou dando corridinhas curtinhas ridículas de um lado para o outro no palco. É, né... Bom, não se pode ter tudo.
O que importa é que, além de ter assistido a uma apresentação de muito vigor e qualidade, tirando o Led Zeppelin que insiste em não nos dar uma canja, já vi, praticamente, uma espécie de "Santíssima Trindade" do rock, com Rolling StonesDeep Purple e, agora, Black Sabbath. Alguns perguntarão, " E o Paul?". E eu lhes responderia, "Não, né!". Em primeiro lugar, Paul  é igual a Beatles. Se fossem os 4, se estivesse todos vivos, ou que fosse os 3 a alguns anos atrás, ou mesmo os dois que sobraram (JUNTOS) eu até me esforçaria em ver. Paul McCartney não me tira de casa. E em segundo lugar, vocês acham mesmo que aquele cara é o Paul de verdade? Ora...

***************************************

video


SETLIST:
  • War Pigs 
  • Into the Void 
  • Under the Sun/Every Day Comes and Goes 
  • Snowblind 
  • Age of Reason 
  • Black Sabbath 
  • Behind the Wall of Sleep 
  • N.I.B. 
  • End of the Beginning 
  • Fairies Wear Boots 
  • Rat Salad
  • Iron Man 
  • God Is Dead? 
  • Dirty Women 
  • Children of the Grave 

Bis:
  • Paranoid


Cly Reis

Nenhum comentário:

Postar um comentário